post-title Álcool e diabetes

Álcool e diabetes

Álcool e diabetes

Álcool e diabetes

As pessoas que tem diabetes podem ingerir bebidas alcoólicas?
Na maioria das vezes a resposta é sim, mas sempre com cuidado.

A redução da glicose causada pelo álcool não é previsível e geralmente ocorre de forma inesperada, aumentando o risco de hipoglicemia. A maioria das hipoglicemias causadas pelo uso de álcool no diabetes é tardia e ocorre após 6 horas do consumo do álcool.

Além de ter efeito direto de reduzir a glicose, o consumo de bebidas alcoólicas diminui a percepção dos sintomas de alerta da hipoglicemia e diminui a resposta hormonal que o organismo normalmente tem para se proteger da queda de glicose. E acaba havendo uma soma dos efeitos do álcool com os da bebida alcoólica. Isso é particularmente importante nos adolescentes com diabetes tipo 1, que acabam consumindo álcool e não se alimentam corretamente, deixando de perceber o risco que estão correndo. Não é incomum que ocorra hipoglicemia quando estão dormindo e ainda sob efeito sedativo do álcool.

A dica é sempre se alimentar. Ao chegar em casa, antes de dormir, faça um lanche reforçado. O risco de hipoglicemia vai aumentando com o aumento da quantidade consumida de álcool.
O limite de ingestão diária recomendado de álcool é de duas porções ao dia para homens e uma porção para mulheres.
Uma porção equivale a 360 ml de cerveja (1 lata pequena), 45ml de destilados ou a 150 ml de vinho (1 taça).

Embora vários estudos sugiram que o consumo de doses baixas de álcool seja benéfico para a saúde do coração, não recomendo o seu consumo com esse intuito. Os riscos e prejuízos do consumo frequente de bebidas alcoólicas pesa mais na balança.
E por falar em balança, alerto que o álcool só perde em calorias para a gordura e é, portanto, bastante calórico.
Como prevenir os efeitos indesejados do álcool para quem tem diabetes?
Informe-se sobre os riscos e se decidir consumir, o faça de forma consciente.

Sempre alimente-se e monitore atentamente a sua glicemia pela ponta de dedo ou pelo sensor pelo menos nas próximas 6 horas após o consumo de bebidas alcoólicas.

Para quem tem diabetes, não recomendo o consumo de álcool se:
1 – o diabetes está descompensado;
2 – tem tendência a ter hipoglicemias;
3 – há presença de complicações do diabetes, principalmente a doença renal, cardíaca e a neuropatia;
4 – há doença gordurosa do fígado (esteatose), que é muito comum associada ao diabetes.
Nessas situações, o consumo do álcool aumenta muito a ocorrência de hipoglicemia grave, com perda de consciência, e também pode piorar a evolução das lesões, como na neuropatia e na esteatose.

Pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revela o aumento do acesso precoce a bebidas alccólicas e a drogas ilícitas entre alunos do 9º ano do Ensino Fundamental.
Mais da metade dos jovens (55% ou 1,44 milhão de alunos) relataram já ter tomado ao menos uma dose de bebida alcoólica, proporção superior aos 50,3% registrados em 2012.
O dado mais preocupante foi o que mostrou que, tanto em 2012 como em 2015, um em cada cinco jovens (21,8% e 21,4% respectivamente) tiveram pelo menos um episódio de embriaguez.

Estados da Região Sul estão entre os que registraram maior índice de consumo de álcool:
Rio Grande do Sul, 34%
Santa Catarina, 33,8%,
Seguidos de Mato Grosso do Sul (31,2%) e Paraná (30,2%).

Dr. Eduardo Guimarães Camargo
Medicina Interna e Endocrinologia

Redes Sociais:
Facebook
Facebook
Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *